sábado, 9 de fevereiro de 2013

Alice tem amigas? Parte II

                O ar deixou os pulmões de Margareth com um chiado. Um expiro de alívio. Em sua cama Alice parecia dormir com a docilidade dos anjos. Margareth teve a certeza de que o grito veio de algum canto escuro de sua imaginação, talvez influenciada pelas falas da filha.

                Margareth caminhou até ela, ajeitou as cobertas que já a cobriam só até os joelhos e deu-lhe um beijo leve no rosto. Alice se remexeu suavemente, se aninhando em seu travesseiro. Acabou por acordar.
- Oi, mamãe. Que houve?
- Nada minha filha. Só achei ter ouvido algum barulho no seu quarto. Vim ver se você está bem.
- Eu estou bem, mamãe.
                Margareth beijou de novo sua filha. Sentiu o sorriso dela e se levantou para apagar a luz e voltar à sua cama. “Amanhã eu e Jansen daremos boas risadas dessa história.” Apagou a luz e passando de volta pelo corredor escuro, ao entrar em seu quarto, ouvindo o som do sono de Jansen, ainda com um sorriso, a
voz da filha vem da cama até ela:
- Deve ter sido a Banshe. Ela quem gritou.
               Por um momento Margareth achou que sua mente a enganara de novo, mas não desta vez. Correu aos tropeços pelo corredor, entrou no quarto da filha e ligou a luz. A visão do quarto a chocou. Talvez antes ela não tenha reparado pelo pânico com o grito, ou talvez algo mudou desde que ela deixara o quarto, mas ela teve a certeza que os brinquedos de Alice não estavam da forma como foram arrumados antes dela dormir. A boneca com que ela dormia abraçada não estava na cama. O cavalinho onde ela montava para brincar estava virado para outro lado. Outros brinquedos estavam em lugares pouco familiares.
Margareth com a voz trêmula perguntou para a filha, que ainda deitada estava, como se tivesse falado a coisa normal do mundo:
- O que você disse, minha filha?
- Que foi a Banshe que gritou. Ela queria brincar com meus brinquedos e eu não deixei...ela ficou brava e até tirou minha boneca de mim. Eu já estava dormindo, mas acho que ouvi ela gritar, mas não liga pra ela não, mamãe. Ela é minha amiga e é boa pra mim.

               Perturbada, Margareth sentiu que nada daquilo fazia sentido, e a naturalidade com que a filha falava essas coisas. Sentindo desamparada, sentou-se na cama ao lado da filha. E chorou...

8 comentários:

  1. Boa estória, irá continuar?

    https://www.facebook.com/groups/amigosblogger/

    ResponderExcluir
  2. Santo Figueiredo,
    Sim! A história ainda tem um ou dois capítulos.
    Acompanha?
    Abraçogro

    ResponderExcluir
  3. Putz, era pra eu ler a parte 1 antes.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Zetrusk,
    Seria uma boa, mas sua leitura não fica prejudicada de ler a parte II e depois a I.
    abraçogro

    ResponderExcluir
  5. O texto é bem interessante, mas me permite uma observação? O trema (ü) só existe na língua portuguesa em caso de estrangeirismo como palavras alemãs. Fique atento a isso.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Victor,
    Não trema antes de dar bons conselhos.
    Abraçogro

    ResponderExcluir
  7. continua a historia q ta legal \o http://bloggdoanonino.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Prezado Davi,
    Final de semana mais um capítulo. Quem sabe o último?
    Abraçogro

    ResponderExcluir

Seu comentário será respondido aqui mesmo no blog pelo nosso Serviço de Atendimento ao Comentador de Ogroland (SACO)

Quem sou eu

Minha foto
Leia o Blog www.ogroland.blogspot.com.